27/03/2021

Meditação infantil para as crianças crescerem mais saudáveis

Meditação infantil para as crianças crescerem mais saudáveis

 

A meditação consiste em acalmar a mente, buscando um estado natural, o que é feito através do foco em algum objeto interno. A prática é realizada através do relaxamento do corpo aliado a técnicas de respiração com atenção ao momento presente.

 Conforme a Dra. Elisa Harum Kozasa, que atua no Hospital Albert Einstein, o hábito da meditação pode tornar o cérebro mais eficiente nas tarefas. A atenção, por si, já tem diversas implicações, desde o desempenho das atividades cotidianas e na própria eficiência em que as tarefas são desempenhadas. Elisa destaca que outra consequência da prática é a melhora da qualidade das relações, através do controle de impulsos emocionais.

 

Por que é importante que as crianças também meditem?

Desde jovens, estamos cercados de novidades e somos afetados por inúmeros estímulos externos. A saúde, assim, pode ser afetada através de distúrbios de ansiedade, depressão e estresse, porque muitos de nós não adquirimos autonomia para lidar com as consequências deste fluxo contínuo de informações.

A meditação infantil pode ajudar a lidar com questões de hiperatividade, baixo desempenho escolar, nervosismo, estresse e agressividade.

Autores como Joan Declaire e John Gottman, na obra “A inteligência emocional na educação”, pontuam que, através do desenvolvimento emocional, as crianças aprendem a reconhecer e a dominar as suas emoções, desenvolvendo maior autoconfiança, saúde física e bem-estar. Os autores referem que, infelizmente, o campo das emoções é frequentemente negligenciado na educação das crianças.

Outrossim, o psicólogo Danilo Lima Tebaldi, em uma matéria para o Estadão, enfatiza a importância da meditação dos pais com os filhos durante o isolamento social. Isso porque a prática pode estimular os filhos a olharem mais para si, bem como refletirem sobre os aprendizados viabilizados por esse período complexo.

 

Dicas e técnicas que podem auxiliar na meditação infantil

A meditação infantil deve ser realizada sem pressa, sendo iniciada através de técnicas de respiração para o relaxamento. Sugere-se iniciar com meditações de cerca de 2 minutos, até a criança adquirir maior prática. Lembre-se sempre de respeitar o ritmo da criança.

Conforme Jeverson Rogério Reichow, as técnicas de relaxamento são utilizadas para proporcionar o relaxamento físico e mental, de forma a viabilizar um estado de ampliação da consciência. Assim, em posição imóvel, com os olhos fechado, a pessoa se imagina num ambiente tranquilo. Ela não vê, não ouve, não tem contato com nada. Então os sentidos e os órgãos motores são “desligados” e a mente se retira do ambiente externo.

Na meditação, através dos exercícios de visualização dirigida, é proposta a visualização mental de lugar ou situação. Jeverson Rogério Reichow pontua que a visualização dirigida pode ser utilizada com crianças menores para ativar a imaginação e a criatividade, além de melhorar a concentração associada à resolução de problemas.

Para a meditação infantil com visualização dirigida ser agradável, sugere-se criar um ambiente lúdico, com elementos que atraem a atenção da criança. A ideia é que ela se sinta à vontade, e fique imersa na história contada. Essa técnica é simples, e necessita apenas que um adulto guie os pensamentos da criança. Portanto, um momento do dia pode reservado para o estímulo da concentração no presente, ou para recontar um conto que os pequenos gostem.

A pedagoga Mariane Duarte Rocha propõe que as práticas de meditação podem ser realizadas com crianças a partir de um ano e meio, pois elas estão em desenvolvimento contínuo. Além disso, recomenda-se a utilização de uma focalização distinta para cada faixa etária, sendo a meditação importante para harmonizar as aprendizagens que as crianças adquirem.

 

A prática de ioga infantil

A ioga é um exercício meditativo que trabalha o corpo e a mente de forma integrada, através de técnicas que desenvolvem habilidades psicomotoras. 

Autores como Fabiane Oliveira de Moraes e Rômulo Sangiorgi Medina Balga destacam que os jovens com dificuldades motoras também podem apresentar dificuldades afetivas. Assim, comportamentos como agressividade e incompreensão em relação ao limite dos outros podem aflorar nessas crianças. É importante, portanto, trabalhar essas dificuldades afetivas ainda no início da infância.

Os exercícios de ioga infantil devem ser adaptados às crianças, considerando que as mesmas sintam-se instigadas a desenvolver a atividade periodicamente. Algumas dicas envolvem utilizar músicas e sons de animais durante as atividades, bem como trabalhar contando histórias que as crianças gostem.

Lembre-se de ser flexível e paciente com as crianças pequenas durante as práticas de ioga infantil. Também é importante evitar muitas instruções. Alguns livros para ajudar seus filhos com atividades de ioga de maneira simples e divertida são:

Lili, a Rainha das Escolhas, da autora Elisa Lucinda.
Ioga Para Crianças: Um guia completo e ilustrado de Ioga incluindo Manual para Pais e Professores, de autoria de Rajiv Chanchani e Swati Chanchani.
O pequeno yogue, dos autores Débora Cristina S. C. Molon e Roberto Lanznaster.

 

 

 

Em suma, a meditação focada e a ioga infantil são técnicas simples e que fazem toda a diferença no desenvolvimento das crianças. Algumas das principais vantagens são referentes à melhora da concentração, da memória, à redução da ansiedade, além do auxílio no controle da hiperatividade. Busque introduzir essas técnicas na rotina das crianças de forma prazerosa, e não pressione os pequenos: é importante que os mesmos se sintam à vontade aos realizá-las.

As técnicas podem ser iniciadas em crianças partir de um ano e meio ou dois anos, sendo essencial a paciência com os pequenos. Para deixar a criança mais a vontade, realize as atividades em algum ambiente calmo da casa, utilize uma linguagem simples e conte histórias durante as práticas.